A união e a perseverança como força motriz de empoderamento feminino

5/7/2018

O grupo Charlotte de São Bernardo do Campo/SP poderia ser definido como um coletivo de costureiras especialistas em reaproveitamento de banners publicitários. Isso já não é pouco, mas não basta.

Djenane Martins, uma das quatro fundadoras do grupo, tinha obesidade mórbida. Isso a deixava fora do mercado de trabalho. Antes mesmo de solicitar os exames médicos já presumiam que ela teria hipertensão, diabetes e outras doenças que a  afastariam da função com frequência. Para ocupar seu tempo, fez um curso de costura. Motivada pela irmã, que costurava com a vizinha, começou a colocar alças em algumas blusas e tomou gosto pelo ofício.

Em 2009, sua vida mudou totalmente. Fundou a Charlotte com as amigas Eliane, Terezinha e Maria, fez uma cirurgia bariátrica e fez do seu trabalho lugar de empoderamento feminino e autoestima.

“Antes minha ocupação era assistir televisão. Saí de casa para costurar e vim para a Charlotte. Eu me empoderei como mulher. Agora eu sei gerenciar, fazer gestão financeira, eu sei vender.” 

No começo de tudo, elas costuravam peças que vinham cortadas e elas só juntavam. O valor pago para esse tipo de serviço é muito baixo. Quando a prosta de trabalhar com reaproveitamento de banner de publicidade para a confecção de brindes corporativo chegou a elas, não tiveram dúvidas em mudar o modelo de negócio.

“Topamos o desafio e lá fomos nós tentar lançar algo novo no mercado. Recebemos a primeira encomenda: 30 sacolas. Foi uma festa na Charlotte. Quase soltamos fogos de artifício de tanta felicidade. Quem diria que hoje produziríamos até 2.000 peças e trabalharíamos com mais de 30 produtos, como ecobags, estojos, valises de viagens e organizadores.”

Hoje as quatro sócias enxergam o mundo com outro olhar, um mundo cheio de oportunidades e sonhos esperando para serem alcançados. A união, amizade e apoio entre elas faz o negócio ser possível.

“Nada disso teria sentido se não fosse pelas minhas queridas amigas e sócias Eliane, Terezinha e Maria. Como eu, elas nunca desistiram de sonhar, mesmo quando saíamos de casa sem saber se teríamos um pró-labore no final do mês. A alegria nunca nos deixou pensar em desistir. Estamos colhendo os frutos do nosso sonho e hoje a Charlotte é reconhecida como um negócio social. E que venham muitos anos de trabalho, pois como dizem, o trabalho dignifica os homens. No nosso caso, as mulheres.”

Conheça mais sobre o grupo nesse vídeo e suas produções em parceria com a Rede Asta nessa produção de solução de upcycling para a seguradora Sompo, para a Agência Netza e sua participação na Escola de Negócio das Artesãs.