4 dicas simples para uma vida mais sustentável

11/4/2019

Muito se fala de uma vida mais sustentável, mas pouco se volta ao conceito de sustentabilidade para embasar as decisões e as mudanças na vida. Antes da lista de práticas, queremos atentar ao tripé da sustentabilidade que deve acompanhar hábitos, ações, campanhas e empresas sustentáveis.

Tripé da Sustentabilidade: social, ambiental e econômico

Em 2002, o sociólogo e consultor britânico John Elkington formulou o conceito Triple Bottom Line - o tripé da sustentabilidade, onde tudo o que é sustentável precisa ser socialmente justo, ambientalmente equilibrado e economicamente viável. Esses três pilares precisam trabalhar juntos e simultaneamente para que algo seja considerado sustentável. No Brasil, o conceito também pode ser conhecido por PPL: Pessoas, Planeta e Lucro. Com nome diferente, mas com o mesmo significado:

Social: nesse quesito falamos de pessoas, direitos humanos, relações trabalhistas, conexão com a comunidade ao redor e com a sociedade como um todo. Para ser sustentável, as pessoas precisam ser pensadas e o impacto gerado na relações com elas também.

Ambiental: aqui a atenção é para o planeta como um todo. Precisamos estar atentos aos recursos usados no que se produz e se consome. Quando o recurso é renovável, qual a ação de quem produz para que aquele recurso não se acabe? Se for não-renovável, estamos usando o recurso do melhor modo ou só explorando sem pensar nas consequências do seu fim para a humanidade? Uma boa solução é pensar em Economia Circular, um outro conceito que é essencial para essa perna do tripé não bambear.

Econômico: a questão cerne aqui é que não adianta ser lucrativo e deixar rastro de destruição, seja na natureza, seja nos seres humanos ou ainda nos dois. Também não é sustentável cuidar do meio ambiente e usar mão-de-obra explorada que não recebe o justo por sua hora de trabalho. O lucro não pode estar acima das pessoas e nem do planeta, mas andar em uma equação equilibrada.

__

Saiba mais sobre Economia Circular

__

Diante desses fatores, podemos olhar para os nossos hábitos e transformar nossas ações em genuinamente sustentáveis. Para isso criamos uma lista com 4 dicas simples que podem te ajudar nesse caminho.

1. Planeje suas compras

Planejamento de compras


Esse é um passo fácil para alguns e extremamente difícil para outros. Planejar o que você precisa comprar evita desperdício e aquisição de bens e serviços que você não precisa. Ir ao mercado, à feira, ao shopping, à livraria etc com absoluta consciência do que você precisa e/ou do quanto você pode gastar é importante para a saúde do planeta e do seu bolso também. Em caso de dúvidas, use as 6 perguntas do consumo consciente a seu favor.

Você pode começar bem simples: com uma lista de mercado para suas compras e focar somente nela ou ir comprar um presente para alguém querido com um orçamento definido e não sair dele em hipótese nenhuma. É incrível a revolução que essas pequenas mudanças fazem. Com esse passo, pode ser que aquela viagem inviável ao seu bolso, passe a ser mais viável.

__

Por falar em viagem e sustentabilidade, saiba mais sobre Turismo Sustentável e sobre ser um Turista Consciente.

__

2. Preste atenção no seu lixo

Separação do lixo doméstico


Observar o lixo que você produz é um passo importante quando tomamos consciência que não existe um jogar fora. A mudança de mentalidade acontece quando compreendemos que esse fora é o nosso planeta. Aqui vai desde o questionamento de “isso é mesmo lixo?” a “eu preciso dessa sacola?” no mercado usando uma mochila que cabe todo o conteúdo comprado.

A reciclagem é um caminho importante e que não podemos mais negligenciar. No Brasil só 3% do lixo é reciclado! Você é responsável pelo seu lixo e pelas consequências dele no mundo. Sabia que existe um aplicativo brasileiro para conectar catadores com você? O Cataki é uma alternativa bem legal para quem não tem coleta seletiva disponível.

Uma outra sugestão é para o lixo orgânico: a compostagem. O Ciclo Orgânico recolhe lixo orgânico para compostagem com planos para diversos tamanhos de famílias e empresas. Vale conhecer.

Também não deixe de compactar as embalagens que precisem ir pro lixo. Caminhões de lixo transportam menos do que a capacidade pelo volume dos sacos. Compactando, eles farão menos viagens, gastaram menos combustível e serão também mais sustentáveis.

__

As empresas têm responsabilidades legais com os resíduos sólidos que geram em suas operações. Entenda o que são resíduos sólidos e por que o Brasil gerou uma lei para eles.

__

3. Experimente opções mais sustentáveis no dia-a-dia

Mudar nem sempre é simples, mas no guarda-chuva de que é trabalhoso e/ou caro, vamos protelando mudanças que são possíveis e/ou planejáveis. A seguir você lerá uma série de provocações nesse sentido. Você não precisa mudar tudo da noite para o dia, mas você pode repensar sua relação com esses itens.

Escova de dentes com plástico misturado, escova de dentes com plástico único e escovas de dentes de bambu: opções de mais sustentáveis
Opções de escolha de escovas de dentes
Pano com cera de abelha que substotuiu o plástico filme para conservação dos alimentos
Pano com cera de abelha que substitui o plástico filme
Opções de copos para levar na bolsa no lugar dos descartáveis
Opções de copos para substituir os descartáveis




4. Prefira comprar de pequenos produtores

Pequeno produtor artesanal


Que dia acontece a feira em seu bairro? Tem algum mercado de produtores e/ou orgânicos na sua região? Onde estão os artesãos da sua cidade? Onde eles vendem? Possivelmente um pequena busca no Google te ajude a chegar a essas repostas ou um papo com outras pessoas do seu bairro. Se não tiver nada disso, pode ser uma pauta importante a se pensar.

Se você não consegue entender ainda a razão de comprar do pequeno, vou apresentar alguns motivos:

__

Aprofunde seu conhecimento sobre comprar do Pequeno Produtor nessa matéria da Pequenas Empresas e Grandes Negócios.

__

O futuro do Planeta depende desse “um passo de cada vez” e de cada cidadão assumindo seu papel nas Relações Humanas, no Meio Ambiente e na Economia.